segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Óculos inteligentes

Até agora a ideia dos óculos do Google, que usam microcâmera, recursos de realidade virtual e interação com telefone inteligente, não vingou. Tanto que a empresa decidiu reavaliar o projeto e estuda uma segunda geração. Existe também preocupação com a intimidade das pessoas que podem ser filmadas sem autorização.
Foram citadas ao menos sete funções agregadas:
1- possibilidade de programar o destino antes mesmo de entrar no veículo -- setas virtuais de auxílio à navegação, pontos de interesse ao longo da rota e até espaços livres para estacionar se apresentam para manter o motorista focado no tráfego;
2- informações sobre velocidade e seus limites na via, que são projetadas acima do perímetro do volante, sem ocultar os veículos à frente;
3- aviso de no caso de mensagem ou torpedo, que podem ser ouvidos nas hastes dos óculos;
4- visão de raios-X através de portas e colunas dianteiras por meio de microcâmeras instaladas externamente de tal modo a revelar objetos e áreas externas encobertas;
5- outras microcâmeras nos espelhos permitem monitorar a distância até a guia para evitar raspar as rodas e pneus em manobras de estacionamento;
6- projeção no alto do para-brisa, no lugar onde fica a faixa degradê, de textos para quando se está parado em congestionamentos;
7- um escâner ajudaria a localizar no escuro botões e comandos no teto do carro sem necessidade de ligar a iluminação interna, por vezes incômoda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário